Sessão Curta

Estou Aqui (I’m Here, 2010) – Spike Jonze

I’m Here é uma celebração da vida e do amor.

Os curtas metragens são um presente do cinema para nós. Vemos pouco e falamos ainda menos sobre eles. Alguns deixam a desejar com apenas 15 minutos, ainda bem que I’m Here possui 30, mesmo achando que ele deveria virar um longa com parte II e III. I’m Here é essa beleza ímpar.

Impossível ele não ser fantástico, o diretor é Spike Jonze. Aquele que te emocionou com Her, que te faz acreditar em um mundo melhor – ou não – com Onde Vivem Os Monstros, mas que principalmente é um dos diretores mais sensíveis da atualidade. Ele consegue lidar bem com as emoções e nos emocionar e nos fazer refletir e nos fazer sentir um pouco mais de amor e uma vontade enorme de espalhar tudo isso por aí. Sou fã, confesso.

I’m Here é uma estória sobre robôs, sobre a vida e sobre o amor. Ele se passa em Los Angeles, onde robôs e humanos dividem o mesmo espaço. Dominada pela tecnologia e a vida como bem a conhecemos, tudo se passa rápido demais, inclusive para enxergarmos as coisas simples. Menosprezados pelos humanos, os robôs possuem socialmente
os papéis mais braçais.

Inside-Im-Here

Um desses robôs é o Sheldon. Ele é um bibliotecário solitário que leva uma vida bastante metódica. Sem amigos,
sem novidades, sem companhia. Até que conhece no ponto de ônibus uma robôzinha bastante aventureira, capaz de bagunçar sua rotina e seu coração.

Sheldon é um desses “caras” de coração bom, que acredita na sinceridade e no amor. Que em tudo se doa por inteiro, inclusive por uma garota. O amor nasce então em alguém que a vida inteira teve desprezo. Irônico. E mais irônico é o amor nascer em robôs, como conhecemos sem sentimentos. Talvez nós humanos até lá tenhamos perdido a nossa capacidade humana em relação aos sentimentos.
I’m Here é essa beleza toda. Prepare então o lencinho e dá um play aí embaixo.
PS: vale a pena assistir repetida vezes.

 

Assista aqui o curta completo:

 

 

 

 

Posts Relacionados