Resenhas Seriemaniacos

Resenha | Sense8 – segunda temporada – Um roteiro mal explorado e o foco principal perdido

Sense8 desde que se lançou em 2015, chama a atenção por sua temática sensitiva. No inicia éramos colocados a prova a todo momento, tentando descobrir as conexões, anseios, ligações entre oito distintas pessoas espalhas ao redor do mundo e com habilidades capazes de serem compartilhadas. Um roteiro perfeito, imensamente rico. O que acontece é que o público que acompanha e gosta da série está conectado com esse universo e descobertas. E o que acontece quando isso se perde e muda o foco? Será que teremos uma série tão interessante ou ela cai em senso comum? Isso é o que acontece com Sense8 – segunda temporada, uma série em meio a multidão, com um roteiro mal explorado e o foco principal perdido.

A primeira temporada girou em torno do desafio de estarmos interligados naquele universo de personagens e estereótipos a serem combatidos. Nos damos de cara com a homofobia, com a intolerância religiosa, com um universo mais humano do que de fato uma série sci-fi como prometido, mas comparando com o sucesso da série isso nunca pareceu ser um problema. Nos cativamos e torcemos por cada um de seus personagens: Lito, Will, Riley, Sun, Nomi, Kala, Capheus e Wolfgang. Alguns mais que outros, mas eles eram o centro da trama.

sense8-segunda-temporada

Após esse primeiro contato, a febre rolou em uma grande expectativa para novos episódios. O que aconteceu foi um período de limbo nunca visto antes. Primeiro porque a série estava envolvida em diversas lambanças. Primeiro um conflito entre as criadoras, depois a saído do elenco do ator que interpretava Capheus, que acabou sendo substituído por Toby Onwumere – que por sinal faz com que sentimos falta do Capheus anterior, por esse ser tão vazio de expressões. Isso tudo fez com que a série ganhasse um retorno somente no final de 2016 e ainda com uma versão de episódio Especial de Natal. Longo, com uma média de 120 minutos, o que soou completamente desnecessário, mas estava interligado com o que foi a primeira temporada inteira, seguindo o ritmo e dramas dos personagens principais.

capheus-sense8-segunda-temporada

Mas esse “primeiro episódio” sofre uma quebra completamente no inicio do segundo episódio da segunda temporada. A organização secreta citada no final da primeira temporada é retomada e toma o foco central, com o roteiro caindo exclusivamente sobe o assunto. O resultado: desgastante. Episódios longos, alguns chegam a ter mais de 60 minutos, com diálogos rasos e tramas vazias.
Novos senses são apresentados, mas eles não possuem o maior cativo que os senses originais.

O que aparentemente era a “mina de ouro” de Sense8 – a conexão sentimental – cai por água abaixo. É um problema comum com roteirista com um grande roteiro a frente, não conseguir manter a linha de pensamento e de se criar uma unidade que faça sentido ao longo de diversas temporadas. Algumas séries acabam se perdendo e Sense8 parece claramente ser uma delas.

 

Trailer – Segunda temporada Sense8

Posts Relacionados