Críticas Sessão Cinéfila

Laço Materno, 2020 | Netflix

Laço Materno é mais que um filme de drama que emociona e choca, ele é desconfortável, subversivo e baseado em fatos. Talvez isso o torne um pouco ainda mais duro, na mesma proporção que bom, explorando muito bem paradoxos familiares. 

Recém-chegado a Netflix, ele traz Masami Nagasawa (Your Name), no papel de Akiko. Mãe solteira, que nos primeiros contatos parece ser alguém leve e divertida. Mas essa primeira impressão logo se subverte, quando em uma pequena reunião familiar é levantado o assunto de diversos empréstimos sem pagamento e a falta de emprego.



Akiko é mãe do pequeno Shuhei (Sho Gunji. Estreante no cinema) um garoto tímido, calado e que nutre pela mãe um amor e uma relação de extrema dependência. Sempre a obedecendo, sem quaisquer questionamentos, mesmo em pedidos absurdos ou quando ela o abandona durante dias, em casa. 

Dividido em períodos (dias, meses, anos – não necessariamente nessa ordem). Cada período se aprofunda um pouco mais essa relação entre mãe e filho. Que se torna cada vez mais co-dependente. Ela tentando suprir os seus vazios com diferentes parceiros sexuais e o usando para qualquer desejo e vontade que ela tenha.


eu o crio da forma que eu quiser. Afinal, sou a mãe dele. Eu o pari. Ele é meu alter ego. (Akiko. Laço Maternal).



Como único elo de amor e afeto, Shuhei pouco questiona essa relação de poder e submissão. Ignorando as suas necessidades ou perspectiva de futuro, como frequentar uma escola ou ter amigos. 

Inevitável você não torcer para uma reviravolta e um final feliz para o garoto, diferente da mãe, que de forma triste, você não consegue ter muita empatia. Um amor materno que nem se aproxima como o que consideramos minimamente ideal. Desmitificando completamente esse “dom materno” que toda mulher carrega consigo. 


Feio? tudo é feio… desde que eu nasci. Mas é feio amar minha mãe? (Shuhei. Laço Materno). 

 

Descobrir que foi baseado em fatos, choca mais. E como ambientes conturbados causam traumas irreversíveis em crianças. Os olhares são duros e calados, a falta de diálogo diz muito. Olhares vazios que procuram algo que não se sabe bem o que é, e que se cala por falta de. 



Um filme excelente, cadenciado e longo. 126 minutos de duração, mas que vale a pena cada segundo de sua construção ao seu desfecho. Mais um belíssimo filme de drama familiar japonês. 





Trailer Laço Materno



Ficha Técnica – Laço Materno

Título original: マザー (Original)
Ano: 2020
Direção: Tatushi Oomori
Estreia: 3 de Novembro (Brasil)
Duração: 126 minutos
Gênero: Drama Policial Thriller
País de origem: Japão
Onde assistir: Netflix

Posts Relacionados

%d blogueiros gostam disto: